Nova Lei de Licitações prevê punições para empresários por irregularidades

nova-lei-licitacoes

As licitações no Brasil deverão passar por uma ampla reforma que estende à empresa ou prestador de serviços a responsabilidade pelo dano causado ao erário na contratação indevida. O Senado deve votar ainda este mês, o projeto de lei elaborado por comissão especial com a finalidade de instituir novas regras para compra de bens e contratação de serviços pelos governos federal, estaduais e municipais (PLS 559/2013).

O empresário ou prestador de serviço se sujeita a penas de detenção de seis meses a um ano, mais multa, nos crimes contra o dever de licitar, como a contratação direta fora das hipóteses previstas na lei. Ele também deverá  devolver o dinheiro obtido de forma irregular. A pena é aplicável também ao administrador público.

Crimes tipificados

O projeto tipifica diversos outros crimes, como a fraude contra o caráter competitivo da licitação ou a apresentação de documento falso, que poderão ser punidas com detenção de dois a quatro anos, além de multa.

Calúnia, difamação ou injúria contra agentes de licitação, contratação ou controle poderão dar ao responsável detenção de seis meses a dois anos, além de multa. De acordo com o projeto, a pena é agravada em dois terços, se a denúncia falsa causar a suspensão da licitação ou o afastamento do agente público de suas funções.

A reforma prevê a revogação das Leis 8.666/1993 (principal norma aplicável às licitações hoje) e10.520/2002 (que instituiu o pregão), bem como dos artigos 1 a 47 da Lei 12.462/2011 (que criou o Regime Diferenciado de Contratações Públicas, o RDC).

A relatora da comissão temporária, senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), evitou que o projeto incluísse modalidades de contratação do setor público com características específicas, como concessões (Lei 8.987/1995), parcerias público-privadas (Lei 11.079/2004) e licitações de publicidade (Lei 12.232/2010) e de produtos de defesa (Lei 12.598/2012).

Fonte: Agência Senado

Código Civil e interpretação jurídica

codigo-civil-interpretacao-juridica

Leia o artigo “Código Civil e interpretação jurídica” de Francisco Amaral, professor Titular de Direito Civil e Romano da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O texto faz parte da edição número 5 da Revista Fórum de Direito Civil – RFDC.

Resumo: As respostas jurídicas da modernidade, hauridas da interpretação jurídica lógico-dedutiva, exegética, já não mais atendem às demandas do complexo cenário contemporâneo. No âmbito das relações privadas, percebem-se mudanças significativas a partir do advento do Código Civil de 2002 com a introdução de técnicas legislativas a proporcionar necessária e salutar abertura sistemática. Entretanto, tais modificações em descompasso com a adoção de uma nova metodologia a permear a interpretação jurídica não serão capazes, per se, de realizar o direito e proteger a pessoa in concreto.

Palavras-chave: Complexidade. Código Civil. Princípios. Metodologia jurídica. Interpretação jurídica.

Sumário: Introdução – 1 O Código Civil na sua gênese – 2 O Código Civil na sua estrutura – 3 O Código Civil nos seus fundamentos – 4 Princípios. Cláusulas gerais. Conceitos indeterminados – Conclusão. Código Civil e interpretação jurídica – Referências

Aplicativo ajuda cidadão a encontrar serviço de acesso à Justiça mais próximo

aplicativo-acesso-a-justica

Lançado esta semana pelo Ministério da Justiça,  o aplicativo do Atlas de Acesso à Justiça  disponibiliza informações básicas sobre a Justiça no Brasil. Por meio dele, os cidadãos brasileiros poderão acessar, por computadores pessoais, celulares e tablets, a localização do serviço público mais próximo capaz de solucionar uma demanda de Justiça. O usuário também poderá visualizar o trajeto, por meio de mapas das cidades, até a unidade desejada.

Ao todo estão disponíveis mais de 60 mil endereços, abrangendo quase a totalidade dos municípios brasileiros. Para fazer uma consulta no aplicativo, o usuário informa o estado, a cidade e o tipo de órgão desejado. O aplicativo retorna o endereço, telefones e o site do órgão.

O app está disponível para o sistema operacional Android. Dentro de 15 dias estará funcionando também para o  IOS. Para acessar, basta procurar por “Acesso à  Justiça” ou “Atlas da Justiça” no Google Play. Clique aqui e baixe já.

Pesquisas

O Atlas permite consultar as instituições do sistema de Justiça por natureza e por município. No ramo “Judicial” estão disponíveis as unidades de atendimento de Justiça Federal, Justiça do Trabalho, Justiça Eleitoral, justiças estaduais, tribunais superiores e conselhos nacionais.

As unidades do Ministério Público Federal, Ministério Público do Trabalho, ministérios públicos estaduais, seções da OAB, Defensoria Pública da União, defensorias públicas estaduais podem ser acessadas no ramo “Essencial à Justiça”.

No ramo “Extrajudicial”, é possível consultar dados sobre o acesso  a cartórios, Procons, atendimento especializado à mulher, Polícia Federal, conselhos tutelares, CRAS/CREAS, unidades do INSS, dentre outros.

Fonte:
Ministério da Justiça

Ministério da Justiça lança estratégia para reduzir quantidade de processos judiciais

ministro-justica-estrategia-Enajud

 

O Ministério da Justiça lançou ontem (02/07) a Estratégia Nacional de Não Judicialização (Enajud). A proposta visa  diminuir o número de processos judiciais por meio de alternativas de soluções de conflitos. A medida foi elaborada à semelhança da política da Defensoria Pública da União, afirmada no ano passado, no 3° Encontro Nacional dos Defensores Públicos Federais.

A Enajud reúne instituições dos setores público e privado para evitar que cheguem ao Judiciário conflitos que podem ser resolvidos por meios alternativos. Segundo o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a promoção de métodos como a mediação, a negociação e a conciliação e a diminuição do número de processos judiciais vão permitir que o Judiciário se concentre em questões que, de fato, exigem uma intervenção – como a proteção aos direitos fundamentais previstos na Constituição Federal.

O ministro explicou que a Enajud vai expandir o acesso à justiça a uma parcela da população que ainda não é atendida, sem deixar de atender aos que atualmente procuram o judiciário. “O objetivo é evitar a judicialização (cujo custo é bem mais alto e o desfecho, mais demorado) e garantir que o direito lesado seja reparado. Com o Enajud mais espaço se abre para setores excluídos da sociedade que até hoje não tem acesso à justiça”.

A Enajud integra o Ministério da Justiça – por meio da Secretaria de Reforma do Judiciário –, a Advocacia-Geral da União (AGU) e o Ministério da Previdência Social (MPAS). Conta, ainda, com a colaboração do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e de instituições do Sistema de Justiça e instituições privadas.

Articulações

Dados da Secretaria de Reforma do Judiciário informam que cerca de 95% das demandas judiciais envolvem o setor público, os bancos e as empresas de telecomunicações. Para evitar sobrecarregar o Poder Judiciário, serão firmados acordos de cooperação com instituições financeiras e telefônicas para estratégias de conciliação extrajudicial.

Foi pactuado também o desenvolvimento de um projeto-piloto da Enajud no Rio de Janeiro. Será desenvolvido em parceria com o Tribunal de Justiça do Estado e a colaboração das demais instituições com o objetivo de buscar a resolução de conflitos dos maiores litigantes (demandantes judiciais), indicados pelo TJ/RJ.

A articulação entre entidades públicas e privadas vai promover a prevenção e a redução de litígios, além de acelerar a efetividade dos direitos e garantias fundamentais. Estão previstas ações de capacitação, estudos e pesquisas para reforçar a ação do governo federal.

Entre as alternativas que a Enajud vai promover estão a mediação, a conciliação e a negociação. A mediação é o método pelo qual duas ou mais pessoas, envolvidas em um conflito potencial ou real, recorrem a um terceiro, que irá facilitar o diálogo entre elas, para que se chegue a um acordo.

Na conciliação, as partes submetem seu conflito à administração de um terceiro imparcial, o conciliador, que aproxima as partes, formula propostas de acordo e aponta as vantagens de cada ponto sugerido pelas partes.

Na negociação, não se recorre a um terceiro. As próprias partes solucionam, conjuntamente, os problemas. Sem formalidades, as partes fazem concessões recíprocas, barganham e compõem seus interesses, buscando a solução que melhor lhes convier.

Ministro Joaquim Barbosa se despede hoje do STF

Foto: Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF

O ministro e presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, preside hoje (01/07) a sua última sessão na corte. De forma inesperada para muitos,  Joaquim Barbosa anunciou sua aposentadoria no mês passado.  A saída do STF é considerada precoce, já que possui 59 anos e o limite máximo para permanência no Supremo é de 70. Ele compõe a corte desde junho de 2003 e assumiu a presidência em outubro de 2012.

Indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Barbosa se destacou no tribunal como relator do processo do mensalão do PT, o que o colocou em evidência na mídia.

O julgamento, que resultou na condenação de figurões petistas, como o ex-ministro José Dirceu e o ex-presidente do PT José Genoino, elevou Barbosa à categoria de celebridade nacional.

Nas redes sociais, campanhas que defendiam que a sua candidatura à Presidência da República ganharam popularidade.

Mesmo com a aposentadoria, porém, Barbosa não poderá concorrer nas eleições de outubro, porque o prazo em que teria que ter deixado o cargo já passou. Ele tampouco se filiou a qualquer partido político.

História do ministro Joaquim Barbosa

Tido pela opinião pública como exemplo de correição e ética, Barbosa também ganhou empatia por vir de uma família simples (mineiro de Paracatu, é filho de um pedreiro e uma dona de casa) e traçar uma carreira de sucesso.

Formado em direito pela UnB (Universidade de Brasília), possui mestrado e doutorado pela Universidade de Paris. Fluente em francês, alemão, inglês e italiano, é professor licenciado da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro).

Antes do STF, integrou o Ministério Público Federal por 19 anos (1984-2003). Ocupou ainda diversos cargos no serviço público: foi chefe da Consultoria Jurídica do Ministério da Saúde (1985-88), advogado do Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados, de 1979-84), oficial de chancelaria do Ministério das Relações Exteriores (1976-1979), tendo servido na Embaixada do Brasil em Helsinque, Finlândia.

Na Suprema Corte, defendeu temas polêmicos, como o aborto para fetos anencéfalos e o reconhecimento de união estável homoafetiva, o que estendeu aos casais do mesmo sexo os mesmos direitos e deveres das uniões heterossexuais, inclusive o direito ao casamento, a adotar filhos e registrá-los em seus nomes.

Ao longo de sua trajetória na Corte, Barbosa foi atormentado por uma dor crônica no quadril e, por isso, participava, com frequência, das sessões em pé, apoiado sobre uma cadeira.

Substituições

Com a sua saída, o ministro Ricardo Lewandowski, atual vice-presidente do STF, irá assumir o comando da Corte interinamente até que seja feita uma eleição protocolar para oficializá-lo no cargo. A expectativa é que a votação só acontece após a volta do recesso do Judiciário, em agosto.

Para a vaga aberta, caberá à presidente Dilma Rousseff indicar um nome, o que não tem previsão para acontecer. Enquanto isso, a Corte seguirá com dez ministros.

 

Fonte: Uol

Crime de contrabando tem pena aumentada

 

pena-contrabando

A lei (Lei 13.008/14) que aumenta a pena para o crime de contrabando foi publicada no Diário Oficial da União na última sexta-feira (27). Quem cometer esse crime poderá a partir de agora ser condenado de 2 a 5 anos de prisão. Antes, a pena era de 1 a 4 anos.

A lei é originada de projeto do deputado Efraim Filho (DEM-PB), aprovado pela Câmara em 2012. Ele comemorou a sanção da lei e acredita que a mudança no Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40) levará a uma repressão mais rigorosa do contrabando.

“A mudança retira o contrabando do campo dos crimes de menor potencial ofensivo, o que levava aqueles que praticavam esse crime a serem julgados por juizados especiais criminais, o que muitas vezes resultava simplesmente em uma mera assinatura de termo circunstanciado, com a suspensão da pena, saindo pela porta da frente, desestimulando as autoridades, a força policial, a continuar o combate efetivo dessa prática que é muito nociva à sociedade”, observa o parlamentar.

Prejuízos

O relator do projeto na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, deputado Felipe Maia (DEM-RN), afirmou que a lei será positiva para a sociedade e para a indústria nacional.

“Nós temos prejuízos não só na parte econômica como também na saúde da população, quando se inserem produtos contrabandeados”, destaca o deputado.

Descaminho

O texto também previa inicialmente o aumento da pena para o crime de descaminho — quando não se pagam os impostos devidos sobre bem trazido do exterior.

Mas Felipe Maia desistiu desse ponto por acreditar que o descaminho é menos grave que o contrabando e que as penalidades atuais são suficientes.

Para caracterizar contrabando, é preciso importar ou exportar clandestinamente mercadoria que dependa de registro ou autorização de órgão público competente, como cigarros e remédios, por exemplo

Fonte: Agência Senado

 

O assédio moral no ordenamento jurídico brasileiro

assedio-moral-direito-trabalho

 

Leia o artigo “O assédio moral no ordenamento jurídico brasileiro”  de autoria da mestre em Direito Fernanda de Carvalho Soares e do professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e Juiz do Trabalho Bento Herculano Duarte. O artigo faz parte da edição número 11 da Revista Fórum Trabalhista – RFT.

Veja todo o sumário e o resumo dos artigos presentes no periódico

Resumo: O assédio moral consiste em uma violência perversa, caracterizada por ataques repetitivos e cotidianos, visando a destruir a autoestima da vítima. A violência moral tem estado muito presente no ambiente de trabalho com vistas a livrar-se do empregado indesejado, fazendo-o afastar-se do emprego. Também chamado de mobbing, o assédio moral pode ocorrer por meio de ações, omissões, gestos, palavras, escritos, sempre com o intuito de atacar a autoestima da vítima e destruí-la psicologicamente. Pode ser praticado pelo patrão contra um empregado, por um empregado contra um colega de trabalho, ou ainda por um subordinado contra seu superior hierárquico, o que ocorre mais no funcionalismo público. O presente artigo objetiva analisar o assédio moral sob a ótica o ordenamento jurídico pátrio. No Brasil já é possível encontrar diversas leis municipais e estaduais em vigor tratando do assédio moral, coibindo a sua prática no âmbito da Administração Pública, e prevendo penalidades para os assediadores. Além disso, encontram-se em tramitação alguns projetos de lei que buscam combater o assédio moral no ambiente de trabalho, seja transformando-o em crime, seja acrescentando-o às infrações previstas na Lei nº 8.112/90.

Palavras-chave: Assédio moral. Relações de trabalho. Legislação brasileira.

Sumário1 Introdução – 2 Definição e características do assédio moral – 3 Legislação brasileira tratando do assédio moral – 4 Conclusões – Referências

Baixe aqui o artigo

Para juízas, mulheres enfrentam mais dificuldades que os colegas homens na magistratura

pesquisa-magistradas-cnj
O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) divulgou pesquisa em que cerca de um terço das magistradas (29%) afirma que enfrenta mais dificuldades no exercício da magistratura que seus colegas homens. De acordo com o Censo dos Magistrados, dos cerca de 10,8 mil magistrados que responderam à pesquisa, apenas 36% são mulheres, embora representem 56% dos servidores.

Apesar de a maioria das magistradas consultadas (87%) considerar imparciais os concursos para a magistratura, uma vez superada a fase do ingresso à carreira, 14% delas relataram ter mais problemas nos processos de remoção e promoção em relação aos juízes; na Justiça Federal, o índice dobra (28%). No exercício da função, parte das mulheres admitiu que o fato de serem do sexo feminino já proporcionou reações negativas de jurisdicionados (25%) e de outros profissionais do Sistema de Justiça (30%).

De acordo com duas em cada três magistradas que opinaram na pesquisa do CNJ, a vida pessoal delas é mais afetada pela carreira que a dos colegas do sexo masculino. O percentual de juízes que têm filhos é ligeiramente maior (78%) que o das juízas (71%).

Advogados tributário e societário estão entre as 20 profissões mais promissoras, aponta pesquisa

advogado-tributario-societario

Segundo pesquisa da Revista Exame, os advogados tributário e societário estão em alta no mercado.  As profissões devem ganhar destaque nos próximos anos.

Veja o que o especialista diz a respeito de cada profissional:

Advogado Societário

Especialização em operações de fusões e aquisições é uma boa oportunidade para os advogados, segundo Lucas Ribas, diretor da Asap em Minas Gerais. Segundo Ribas, o as transações de aquisições e fusões têm crescido muito no Brasil. Quem tem interesse na área, diz Ribas, deve estar em dia com termos técnicos em inglês. “Os melhores cursos estão na Inglaterra e nos Estados Unidos então o profissional precisa conhecer bem o inglês jurídico”, explica.

Advogado Tributário

Uma das posições mais difíceis para se preencher tem sido a de advogado tributário, segundo o diretor da Asap, em Minas Gerais. “O Brasil tem legislação e carga tributárias complexas, e as empresas, hoje, querem mitigar custos”.

E na hora de encontrar meios para conseguir ganhos através de um planejamento tributário, o profissional de direito tributário e formação contábil ganha viés estratégico. Segundo ele, o destaque para os profissionais da área deve continuar nos próximos anos. “O Brasil vai conviver com esta carga tributária complexa durante muitos anos ainda”, diz.

Aspectos inconstitucionais da Lei de Improbidade Administrativa

improbidade-administrativa

Leia na íntegra o artigo “Aspectos inconstitucionais da Lei de Improbidade Administrativa” de autoria do professor de Direito Administrativo Marcelo Harger. O artigo compõe a edição número 55 da Revista de Direito Administrativo e Constitucional – AeC.

Conheça todo o conteúdo do periódico de Direito Administrativo e Direito Constitucional

Resumo: O presente artigo tem por objetivo examinar os diversos aspectos da Lei de Improbidade Administrativa que se apresentam em desconformidade com a Constituição Federal, tanto sob o ponto de vista formal quanto sob a perspectiva material. Ao longo da investigação, são apontadas oito ofensas do referido diploma legal ao ordenamento constitucional brasileiro.

Palavras-chave: Lei de Improbidade Administrativa. Inconstitucionalidade formal. Inconstitucionalidade material.

Sumário1 Introdução – 2 A competência legislativa para instituir o ilícito de improbidade administrativa – 3 O dolo como elemento da improbidade administrativa – 4 A ofensa ao princípio da tipicidade – 5 A ofensa o princípio da individualização das penas – 6 A inconstitucionalidade das penas de pagamento de multa civil, proibição de contratar contra o Poder Público e de proibição de receber incentivos fiscais ou creditícios – 7 A limitação à liberdade do legislador ao tipificar condutas e estabelecer penalidades – 8 A inconstitucional previsão em lei federal de requisitos para exercer cargos públicos nos demais entes federados – 9 A inconstitucionalidade de exigir declaração de bens de terceiros como condição para o exercício de cargos públicos – 10 Conclusão – Referências

Baixe o artigo aqui

Marco Civil da Internet entra em vigor hoje: saiba mais sobre a lei

marco-civil-internet

Começam a valer hoje (23) as novas regras para o uso da internet no Brasil. A Lei 12.965/14, conhecida como Marco Civil da Internet, é uma espécie de constituição do setor, que estabelece os direitos e deveres de usuários e de provedores de internet no país. Após aprovação na Câmara dos Deputados e no Senado, a lei foi sancionada pela presidenta Dilma Rousseff e publicada no dia 24 de abril, com prazo de 60 dias para entrada em vigor.

Leia o artigo:

Marco civil ou demarcação de direitos? Democracia, razoabilidade e as fendas na internet do Brasil

 

Conheça os principais pontos do Marco Civil

Neutralidade na rede

O princípio da neutralidade diz que a rede deve ser igual para todos, sem diferença quanto ao tipo de uso. Assim, ao comprar um plano de internet, o usuário paga somente pela velocidade contratada e não pelo tipo de página que vai acessar. Ou seja: o usuário poderá acessar o que quiser, independente do tipo de conteúdo. Paga, de acordo, com o volume e velocidade contratados.Em acordo com a oposição ao governo, o texto na Câmara aprovado e confirmado no Senado, prevê que a neutralidade será regulamentada por meio de decreto após consulta à Agência Nacional de Telecomunicações e ao Conselho Gestor da Internet (CGI).
Privacidade na web

Além de criar um ponto de referência sobre a web no Brasil, o Marco prevê a inviolabilidade e sigilo de suas comunicações. O projeto de lei regula o monitoramento, filtro, análise e fiscalização de conteúdo para garantir o direito à privacidade. Somente por meio de ordens judiciais para fins de investigação criminal será possível ter acesso a esses conteúdos.

Outro ponto da proposta garante o direito dos usuários à privacidade , especialmente à inviolabilidade e ao sigilo das comunicações pela internet. O texto determina que as empresas desenvolvam mecanismos para garantir, por exemplo, que os e-mails só serão lidos pelos emissores e pelos destinatários da mensagem. O projeto assegura proteção a dados pessoais e registros de conexão e coloca na ilegalidade a cooperação das empresas de internet com órgãos de informação estrangeiros.As empresas que descumprirem as regras poderão ser penalizadas com advertência, multa, suspensão e até proibição definitiva de suas  atividades. E ainda existe a possibilidade de penalidades administrativas, cíveis e criminais.

Logs ou registros de acessos

Segundo o Marco Civil, os provedores de conexão são proibidos de guardar os registros de acesso a aplicações de internet. Ou seja, o seu rastro digital em sites, blogs, fóruns e redes sociais não ficará armazenado pela empresa que fornece o acesso. Mas, pelo artigo 15 do PL, toda empresa constituída juridicamente no Brasil (classificada como provedora de aplicação) deverá manter o registro desse traço por seis meses. Elas também poderão usá-lo durante esse período nos casos em que usuário permitir previamente. Mesmo assim, são proibidas de guardar dados excessivos que não sejam necessários à finalidade do combinado com o usuário.

Data centers fora do Brasil

O relator do projeto retirou do texto a exigência de data centers no Brasil para armazenamento de dados. Um data center é uma central de computadores com grande capacidade de armazenamento e processamento de dados onde ficam, normalmente, os arquivos dos sites, e-mails e os logs de acesso. Com as denúncias de espionagem eletrônica feita pelos Estados Unidos, o governo brasileiro tinha proposto o armazenamento de dados somente em máquinas dentro do território brasileiro, mas essa obrigação saiu do texto aprovado.

Fonte: EBC

O princípio da coisa julgada e o vício de inconstitucionalidade

artigo---O-principio-da-coisa-julgada-e-o-vicio-de-inconstitucionalidade

Leia o artigo “O princípio da coisa julgada e o vício de inconstitucionalidade” de autoria da ministra do Supremo Tribunal Federal Cármen Lúcia Antunes Rocha. O texto faz parte da edição número 100 da Revista Fórum Administrativo.

Conheça o conteúdo do periódico

Introdução

O que contraria a Constituição é inconstitucional. O que é inconstitucional não pode valer. O que não vale — não tem valor — não pode subsistir. Isto, que é lição pacífica para que se faça o controle dos atos dos poderes legislativo e executivo, começa, somente agora, a tomar forma clara também para os atos judiciais, incluídos os terminativos dos processos (sentenças e acórdãos).

A autoridade dos atos do Estado baseia-se na autoridade constitucional que os fundamenta. Faltante a autoritas constitucionalis carente de fundamento é o provimento estatal, que pode aparentar formas regulares de exercício do poder, mas que não se dota do conteúdo que o segura no mundo dos atos jurídicos válidos.

Sentença (ou acórdão) é ato estatal. Logo, o ato judicial terminativo, ou não, da ação há que se ater aos fundamentos e aos limites constitucionalmente definidos. A obrigação judicial de ater-se aos comandos constitucionais não pode ser excepcionada sob qualquer argumento, incluído o tão comumente apresentado como é o da soberania dos atos do juiz, menos, ainda, por um pensar judicante que depois se demonstra não ser coerente, compatível, adequado constitucionalmente.

Soberania não está na caneta do juiz, mas na tinta constitucional com que ela se aperfeiçoa e que a dota de força de poder estatal aderente e obrigante.

Leia o artigo completo

Palavras-chave: Princípio da coisa julgada. Vício de inconstitucionalidade. Princípio da segurança jurídica.

Sumário: Introdução - I O princípio da segurança jurídica - II O princípio da coisa julgada como manifestação da segurança jurídica - III O princípio da coisa julgada como direito fundamental - IV O princípio da coisa julgada e a inconstitucionalidade do fundamento jurídico do julgado - V Coisa julgada de decisão prolatada em ação constitucional: se existe Conclusão.

Pesquisa revela média salarial de advogados por área do Direito

salario-advogado-pesquisa

 

Com o salário de até R$ 19. 577,04 para diretor jurídico e R$ 3.072,91 para o profissional júnior que atua com Direito em Propriedade Intelectual, a pesquisa realizada pela Catho divulga a média das remunerações dos setores do Direito.

Veja quanto os advogados ganham em média, no Brasil, segundo o levantamento:

Direito Ambiental
Advogado de Direito Ambiental Júnior: R$ 3.036,19
Advogado de Direito Ambiental Pleno: R$ 4.035,19
Advogado de Direito Ambiental Sênior: R$ 5.098,85

Direito Civil
Advogado de Direito Civil Júnior: R$ 2.525,22
Advogado de Direito Civil Pleno: R$ 3.648,16
Advogado de Direito Civil Sênior: R$ 5.697,58

Direito Comercial
Advogado de Direito Comercial Júnior: R$ 2.770,82
Advogado de Direito Comercial Pleno: R$ 4.582,73
Advogado de Direito Comercial Sênior: R$ 5.335,87

Direito Constitucional
Advogado de Direito Constitucional Júnior: R$ 2.382,34
Advogado de Direito Constitucional Pleno: R$ 4.204,00
Advogado de Direito Constitucional Sênior: R$ 6.443,85

Direito do Consumidor
Advogado de Direito do Consumidor Júnior: R$ 2.324,47
Advogado de Direito do Consumidor Pleno: R$ 3.522,13
Advogado de Direito do Consumidor Sênior: R$ 4.859,86

Direito em Propriedade Intelectual
Advogado de Direito em Propriedade Intelectual Júnior: R$ 3.072,91
Advogado de Direito em Propriedade Intelectual Pleno: R$ 3.449,08
Advogado de Direito em Propriedade Intelectual Sênior: R$ 4.793,60

Direito Empresarial
Advogado de Direito Empresarial Júnior: R$ 2.788,36
Advogado de Direito Empresarial Pleno: R$ 5.006,22
Advogado de Direito Empresarial Sênior: R$ 6.921,57

Direito Internacional
Advogado de Direito Internacional Júnior: R$ 2.817,69
Advogado de Direito Internacional Pleno: R$ 5.018,36
Advogado de Direito Internacional Sênior: R$ 5.913,12

Direito Penal
Advogado de Direito Penal Júnior: R$ 2.547,01
Advogado de Direito Penal Pleno: R$ 3.987,00
Advogado de Direito Penal Sênior: R$ 5.025,15

Direito Trabalhista
Advogado de Direito Trabalhista / Previdenciário Júnior: R$ 2.361,34
Advogado de Direito Trabalhista / Previdenciário Pleno: R$ 3.723,72
Advogado de Direito Trabalhista / Previdenciário Sênior: R$ 4.894,29

Direito Tributário
Advogado de Direito Tributário Júnior: R$ 2.729,69
Advogado de Direito Tributário Pleno: R$ 4.376,59
Advogado de Direito Tributário Sênior: R$ 5.733,00

Jurídico
Diretor Jurídico: R$ 19.577,04

A contratação integrada no Regime Diferenciado de Contratações – Lei nº 12.462/11

Contratacao-integrada-no-Regime-Diferenciado-de-Contratacoes Leia o artigo “A contratação integrada no Regime Diferenciado de Contratações – Lei nº 12.462/11“, de Juliano Heinen, procurador do Estado do Rio Grande do Sul (PGE). O artigo faz parte da edição 145 da Revista Fórum de Contratação e Gestão Pública.

Navegue por todo o conteúdo do periódico

Resumo: O presente trabalho aborda, por meio de uma análise crítica, os principais aspectos no que se refere à contratação integrada do Regime Diferenciado de Contratações, modalidade de seleção pública, pela qual a Administração Pública concentra em uma única seleção e em um único contratante a elaboração do projeto básico e da execução. Esta sistemática foi dimensionada, assim, com edição da Lei nº 12.462/11. Para tanto, a pesquisa desenvolvida traz à tona possíveis soluções às incongruências compreendidas frente aos textos legais que tratam da matéria. Conclui-se, por fim, que o estudo sobre o mencionado negócio jurídico ainda é prematuro, a ainda revelar, portanto, intensos debates.

Palavras-chave: Licitação. Regime Diferenciado de Contratações. Sistema de Registro de Preços.

Sumário: Introdução – Regimes de licitação no RDC – Contratação integrada – Conclusão

Baixar o artigo

Advogado poderá receber intimação pessoalmente em processos da Justiça do Trabalho

notificacao-pessoal-advogado

Os advogados que atuam na Justiça do Trabalho poderão ter o direito de receber a intimação pessoalmente após todos os atos do processo. A medida está prevista no Projeto de Lei 6027/13, do deputado Guilherme Mussi (PP-SP). Pela proposta, a intimação pessoal poderá ser substituída pela notificação por meio da imprensa oficial ou eletrônica.

Hoje, os interessados devem se cadastrar na internet para receber as informações sobre cada processo, sendo dispensadas as intimações pela imprensa oficial.

A proposta de Mussi altera a Consolidação das Leis do Trabalho (Decreto-Lei 5.452/43) e revoga um dispositivo da Lei 11.419/06 segundo o qual as intimações são feitas por meio de portal eletrônico.

“A prerrogativa da intimação pessoal é conferida aos procuradores da Advocacia-Geral da União, aos da Fazenda Nacional, aos do Banco Central, aos da Previdência Social, não se estendendo aos advogados. É necessário corrigir essa desigualdade”, argumenta Mussi.

Tramitação

A proposta, que tramita de forma conclusiva, será analisada pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Agência Câmara

 

Regime das medidas de urgência no futuro CPC

Regime-das-medidas-de-urgencia-no-futuro-CPC

Leia na íntegra o artigo “Regime das medidas de urgência no futuro CPC“, do advogado e professor Ivo César Barreto de Carvalho. O texto faz parte da edição número 85 da  Revista Brasileira de Direito Processual – RBDPRO

Leia o artigo aqui

Resumo: O presente trabalho tem por escopo estudar o regime das medidas de urgência no futuro Código de Processo Civil Brasileiro (Projeto de Lei do Senado nº 166/2010), à luz das garantias constitucionais da ação, calcado na efetividade da tutela jurisdicional e na duração razoável do processo. Destarte, faz-se uma análise dos institutos da tutela de urgência e de evidência previstas no atual Projeto, cotejando-os com os institutos da medida cautelar e de antecipação de tutela do atual CPC.

Palavras-chave: Tutela de urgência. Tutela de evidência. Medida cautelar. Antecipação de tutela. Efetividade. Futuro CPC.

Sumário: Noções introdutórias – 1 Garantia constitucional da ação e tutela jurisdicional – 2 O futuro Código de Processo Civil (Projeto de Lei no Senado nº 166/2010) – 3 Tutela de urgência – 4 Tutela de evidência – Conclusões preliminares – Referências

Para advogada, Lei da Palmada não vai pegar

lei-da-palmada

O Projeto de Lei da Câmara 58/2013, também conhecido como Lei da Palmada, causou polêmica desde o momento em que a proposta foi apresentada ao Congresso. Para  a advogada Carmem Nery, especialista em administração legal, a nova lei “não vai pegar”. Ela defende que Direito e legislação acompanham a sociedade, e não são capazes de mudarem, sozinhos, paradigmas culturais e sociais.

“Estabelecer leis não significa necessariamente um avanço social. Se temos cultura de maus tratos a crianças e adolescentes – e não acho que é toda sociedade que pratica isso – e sim, claro que existe um abuso mais pontual, não será uma nova legislação que vai mudar isso. A mudança de cultura não se faz por decreto, mas por educação”, diz Carmem, do livro “Decisão Judicial e Discricionariedade: a sentença determinativa no processo civil”. Assim como outros juristas, a advogada crê numa distinção entre a chamada palmada educativa e os maus tratos.

Um ponto levantado pelos críticos da lei é sua fiscalização, que seria difícil de ser realizada. A nova lei prevê que se o profissional de saúde, da assistência social, da educação ou qualquer outra pessoa que exerça função pública que saiba dos castigos físicos e não comunique a autoridade competente pague uma multa de 3 a 20 salários mínimos. A pena para os pais que praticam o castigo e promovam situações degradantes de crescimento para crianças envolve o encaminhamento para programa oficial de proteção à família, à tratamento psicológico ou psiquiátrico, à programas de orientação, a obrigação de encaminhar a criança a tratamento especializado e uma advertência.

Já as entidades que trabalham pela promoção dos direitos da criança e do adolescente comemoram a aprovação do projeto como um marco histórico em relação à violência infantil, e até fazem paralelo com o que representou a Lei Maria da Penha, aprovada em 2006, para a violência contra a mulher.

Ao contrário dos críticos, os defensores da legislação afirmam que a lei é justamente um dos caminhos para acabar com o hábito cultural de bater nos filhos. “Com a lei teremos um dispositivo para começar a introduzir essa mudança atingindo a sociedade como um todo”, diz Márcia Oliveira, uma das coordenadoras da ONG Não bata, Eduque. Para a ONG, que encampou a principal campanha em prol da Lei da Palmada, além de um instrumento jurídico, a lei é um marco moral e ético.

Há também uma rejeição das entidades em relação ao conceito da “palmada educativa”. É defendido que se nos processos de educação e orientação de adultos, no trabalho ou mesmo nas escolas e universidades, a palmada não é tolerada, não deveria ser diferente com a educação infantil.

Fonte: Última Instância

 

Segundo Luiz Fux, novo CPC pode reduzir tempo de ações em até 70%

ministro-luiz-fux

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux espera que o tempo de duração das ações na Justiça poderá ser reduzido em até 70% com as mudanças propostas no novo Código de Processo Civil em discussão no Senado. O ministro integra a comissão de juristas que acompanhará os trabalhos de redação final do substitutivo em apoio à comissão especial formada por senadores.

Conheça a obra “Jurisdição Constitucional Democracia e Direitos Fundamentais” de autoria do ministro Luiz Fux.

Veja a entrevista do ministro Luiz Fux:

Fonte: Agência Senado

RDC é ampliado para construção e reforma de presídios

rdc-construcao-presidio

 

A presidenta Dilma Rousseff sancionou a ampliação do Regime Diferenciado de Contratações (RDC) para obras de construção e reforma de presídios. Com a mudança, o regime poderá ser usado na licitação de obras e serviços de engenharia relacionados à construção, ampliação ou reforma de presídios e de unidades de internação de adolescentes. A nova redação da Lei 12.462, de 4 de agosto de 2011, que institui o RDC, está na edição do dia 29/05 do Diário Oficial da União.

Criado para as obras relacionadas à Copa do Mundo e às Olimpíadas de 2016, o RDC tinha sido estendido para as obras do Programa de Aceleração do Crescimento, do Sistema Único de Saúde, do Programa Nacional de Dragagem Portuária e Hidroviária e do sistema público de ensino.

As regras do RDC diminuem prazos e simplificam a análise de recursos nas licitações, permitindo a modalidade de contratação integrada, quando uma única empresa fica responsável pela obra, desde os projetos básico e executivo até a entrega da obras em condições de uso.

Conheça as obras da Editora Fórum que tratam de RDC

Em março, uma comissão especial mista do Congresso Nacional, que analisou a Medida Provisória 630/13 com alterações no RDC, aprovou parecer da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que estendia o uso do regime para todas as licitações e contratos da União, dos estados, municípios e do Distrito Federal. O texto foi aprovado pelo plenário da Câmara dos Deputados e remetido para votação no Senado.

A ampliação, contudo, foi rejeitada pelo Senado, que retomou o texto original de forma a permitir a ampliação do RDC só para construção e reforma de presídios e unidades de atendimento socioeducativo.

Fonte: Agência Brasil

12º Fórum Brasileiro de Contratação e Gestão Pública: veja as fotos

O mais tradicional evento de contratação e gestão pública no Brasil contou com a participação de mais de 400 pessoas no  Centro de Convenções Brasil 21, em Brasília. Durante os dois dias do evento (29 e 30/05), passaram grandes juristas e acadêmicos do Direito Público brasileiro. Foram debatidos diversos temas relevantes na área de licitações e contrações públicas, como a atuação preventiva e repressiva do controle externo, os efeitos da Lei Anticorrupção Empresarial na contratação e gestão pública, responsabilidade fiscal nas licitações e contratações, o termo de referência, Regime Diferenciado de Contratações e o combate à corrupção.

Veja as fotos dos dois dias do 12º Fórum Brasileiro de Contratação e Gestão Pública: