Pesquisa aponta que maioria dos advogados é a favor de publicidade na advocacia

publicidade-advogado

Pesquisa realizada pela empresa de comunicação Gestão Jurídica Empresarial (Gejur) aponta que 83,5% dos advogados são favoráveis a algum tipo de publicidade na profissão. Desses, 36,2% são “totalmente a favor”, e 47,3% apoiam parcialmente.

Em relação aos meios de divulgação,  a newsletter  tem 90,5% votos favoráveis a utilização, seguido da  internet com 84,8%, e-mail 74,5%, revistas 73,4%, e jornais com 69% a favor. Já os meios mais rejeitados são rádio 53,2%, televisão 62,8%, outdoors 69,2%, telemarketing 71,4% e muros 82%.

Segundo a pesquisa, a maioria também aprova a utilização de assessoria de imprensa, com cerca de 86% dos entrevistados. Sobre o patrocínio de eventos jurídicos, 89% é a favor da prática.

O estudo também selecionou alguns comentários mais revelantes sobre as perguntas. Veja sobre a  opinião sobre a publicidade na advocacia?

Comentários de quem respondeu “Sou totalmente a favor”:

. “Com o crescimentos das grandes bancas, os pequenos ficam cada vez mais pequenos, ou investem em propaganda ou vão acabar trabalhado nas grandes bancas, empregados dos poderosos. Ou desistem da profissão.”

. “Nos países de primeiro mundo, como EUA, é permitida a propaganda, a lei do mercado julgará os melhores profissionais.”

Comentários de quem respondeu “Sou totalmente contra”:

. “Advocacia não é comércio.”
. “O problema aqui vislumbrado é que estas restrições podem ferir o princípio da liberdade de expressão e ainda, como tudo no Brasil não atende as princípios das exposições de motivos que criam as novas regras, corre o risco de isso se tornar uma porta aberta para o retorno uma política de censuras, regredindo ao passado. Não obstante a isso, parece-nos que fere a liberdade para transmitir informações e ideias por quaisquer meios independente de fronteiras (Art. 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos 1948).”

. “A advocacia é hoje uma das poucas profissões que não prove oficialmente nenhuma publicidade, em detrimento à imagem da categoria. Outros conselhos profissionais veiculam publicidade da categoria até mesmo em horário nobre nas grandes emissora de televisão, o que não ocorre com a advocacia. Hoje, nós temos milhares de advogados laborando sob condições extremamente desfavoráveis visando garantir um benefício previdenciário, o pagamento de verbas trabalhistas, ou litigando contra bancos e o poder econômico de forma geral, e esses profissionais simplesmente não existem para a sociedade. Sou a favor que as ações da classe (e não de um advogado ou escritório específico) sejam amplamente divulgadas por meios publicitários, sem promoção pessoal mas da importância e necessidade da categoria. Se um escritório ou advogado autônomo conseguiu grande resultados, que sejam divulgados, mas sempre de forma impessoal e procurando valorizar a classe.”

Acesse aqui a pesquisa completa. (Exige cadastro gratuito)